Fórum ANIC-GPL Website ANIC-GPL
10-Dez-2018, 09:09:24 *
Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Notícias: Alteração legislativa em curso sobre o Decreto-Lei nº. 136/2006
Participe no Projecto de decreto-lei relativo à utilização de GPL em automóveis
 
   Início   Ajuda Pesquisa Calendário Entrar Registe-se  
Páginas: [1]
  Imprimir  
Autor Tópico: 23º Congresso Mundial de GPL  (Lida 10498 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Miguel Ângelo da Fonseca Rodrigues
Pres. Direcção
Administrador
Residente (muito participativo)
*****

Apreciação global das respostas pelos membros: 9
Offline Offline

Mensagens: 3.077



Ver Perfil WWW
« em: 03-Out-2010, 12:55:09 »

Conforme previamente anunciado nas notícias do website, a ANIC-GPL teve o privilégio de participar no 23rd Annual World Forum 2010 que decorreu em Madrid de 28Set'10 a 01Out'10, na pessoa do Director do Dep. Técnico.

Força Fernando, queremos saber as tendências da moda para a próxima época. Wink
Registado

No íntimo de cada cavalo, há sempre um burro por descobrir...
Fernando Manuel Augusto Francisco
Vice-Pres. Direcção
Moderador
Residente (muito participativo)
***

Apreciação global das respostas pelos membros: 3
Offline Offline

Mensagens: 647



Ver Perfil
« Responder #1 em: 03-Out-2010, 17:35:09 »

3ª-feira - 28Set'10
Decorreram 3 sessões em simultâneo:


25º Congresso da AIGLP - Associação Ibero-Americana de GLP (Palácio de Congressos de Madrid)
Mesa Redonda sobre:
  • Emissões
  • Poluição no interior das habitações
  • Eficiência Energética
  • Subsídios

Do pouco tempo que assisti a estas apresentações reparei que a maior preocupação da WLPGA e da AIGLP é mesmo arranjar subsídios para acabar com a lenha/carvão no interior das habitações, quando este é o único meio de cozinhar. Um problema que afecta, anualmente, mais de 3 milhões de pessoas e que provoca a morte a 12.000, crianças e mulheres são os mais afectados.


Reunião do Conselho da Indústria da WLPGA - World LPG Association (Hotel Intercontinental)
Não estive presente mas, segundo percebi começa a haver uma preocupação, por parte das petrolíferas, no que diz respeito à Indústria Química, pois este sector está a começar a deixar de utilizar o GPL como combustível.


Encontro da AEGPL sobre GPL Auto - Association Européenne des GPL (Hotel Intercontinental)
  • Sector Automóvel
  • Coordenação Técnica
  • Lobbies

Sentei-me e já a procissão ia no adro mas ainda deu tempo para apanhar o fio à meada:

  • Projectos para o triénio 2009-2011
  • Normalização
    • EN 589 - Especificações técnicas da qualidade do Autogás (até 2011 deve estar pronto)
    • Estações de Abastecimento (novos requisitos do CEN WG esperados até 2011/2012)
    • Conselho Económico para WTW (well-to-wheel, poluição do poço-à-roda)
    Sobre a qualidade do Autogás há a acrescentar que:
    • O etil mercaptano vai ficar com percentagens diferentes de odorizantes atendendo aos estudos realizados pela Arkema é necessário ter mais atenção aos catalisadores e aos sulfuretos emitidos.
    • Existem forças, vindas dos fabricantes de automóveis (grupo VW), para retirar o propano do autogás fazendo assim com que seja um produto uniforme e que, não precise de reajustes quando se muda de país/posto e poder estender a autonomia até cerca de 12% mais. A AEGPL está claramente contra.
  • Prioridades
    • Regulamentação do CO2 para o GPL
    • Qualidade do combustível
    • R115 da UNECE
    • Estudo científico sobre a injecção directa a gasolina
    • Bio-GPL (éter dimetílico)
  • O que devemos fazer?(lobbies)
    • Promover o Roadmap (revista da AEGPL)
    • Estarmos envolvidos nas discussões sobre “futuro dos transportes”
    • Estabelecer contactos com os fabricantes de automóveis
    • Directivas sobre a qualidade do ar (emissões de partículas)
    • Directivas sobre a qualidade do combustível
    • Desmistificar a ideia que o GPL só vem do Petróleo

    Antes de terminar a sessão ainda houve tempo para vermos algumas apresentações.
    • França
      • 160.000 Veículos a Gás
      • 1.500 Postos de abastecimento
      • 2.500 Veículos novos a GPL vendidos em 2008
      • 52.000 Veículos novos a GPL vendidos em 2010
      • Incentivo de 2.000,00 euros para todos os carros novos e para alguns modelos e regiões que instalem depois da matrícula. Este incentivo termina em 2012
      • Curiosidades:
        • Formação sobre abastecimento - foram detectados casos de pessoas que compravam carros a GPL só para receberem os 2.000 euros do Estado depois andavam a gasolina por não saberem abastecer.
        • A Ford vai reabrir uma fábrica que se encontra fechada só para instalar kits de GPL nos seus carros novos.
    • Polónia


      A Rotarex empresa Belga do sector, apresentou mais uma inovação o Firetec produto revolucionário que extingue todos os incêndios nos motores
[/list]
Registado

LPG the fastest ecology
Fernando Manuel Augusto Francisco
Vice-Pres. Direcção
Moderador
Residente (muito participativo)
***

Apreciação global das respostas pelos membros: 3
Offline Offline

Mensagens: 647



Ver Perfil
« Responder #2 em: 03-Out-2010, 17:48:10 »

4ª-feira - 29Set'10
Durante a manhã
  • Visão global do mercado de importação e exportação de GPL - gostaria de salientar o facto de o Qatar (país onde se vai realizar o 24º congresso da WLPGA e com um PIB de 140 mil milhões USD) ter reservas de gás para mais 100 anos e que na Índia o mercado do GPL subiu 30% nos últimos 5 anos e tem de importar cerca de 12% do que consome. Parece que foi propositada a presença dos 2 países nesta manhã.
  • Perspectivas no mercado Industrial.
  • Estratégias para o transporte marítimo do GPL - este é um dos principais factores a influenciar o preço do GPL.
  • Contraste e comparação entre o mercado Europeu e Norte Americano - aqui o Sr. Paul Ladner da UGI referiu que os governos devem dar incentivos para ajudar no desenvolvimento deste sector e que todos os transportes das escolas deviam usar GPL.

Durante a tarde
  • Autogás na Europa. Conduzindo do Potencial à realidade.
  • Mesa redonda tendo como moderador Arnaud Duvielgerbigny da AEGPL.
  • Apresentações sobre o desenvolvimento dos mercados em vários países:

    • Espanha
      Este é um mercado que esteve estagnado até 2003, por imposição governamental, e que começa agora a dar sinais do seu desenvolvimento. Os incentivos governamentais, as marcas de automóveis que oferecem diversas versões a GPL e a aposta na publicidade utilizando frotas como a da Coca-Cola e as Escolas de Condução são exemplos de como se pretende a evolução do mercado espanhol.
    • França
      Desenvolvimento do mercado na França já referido anteriormente.
    • Itália
      Com mais de 2.000.000 de veículos a GPL, as preocupações centram-se essencialmente na dieselização do mercado (70%). Em 2009 enquanto existiram os incentivos do governo o carro mais vendido foi o Fiesta LPG e nesta altura caíram as vendas dos carros a gasóleo e as vendas dos carros a GPL já quase igualavam as de gasolina. Segundo Corrado Storchi da Landi Renzo por cada euro que o Estado dá, recebe 1,18 euros, gasta mais 350.000.000 euros em emissões de CO2 e 20.000.000.000 euros com a saúde.
    • Polónia
      A introdução de algumas normas como a licença de instalador veio estremecer este mercado de 150.000 carros transformados anualmente (600,00 euros a instalação de um sistema de injecção). Estas alterações são fundamentais para garantir a segurança do sector.
    • Reino Unido
      Rob Shuttleworth Director da UKLPG falou sobre a próxima estratégia desta associação, para além de continuarem a fiscalizar as montagens, efectuadas pelos instaladores aprovados por eles, passarão a ter uma base de dados dos veículos instalados. O principal objectivo é garantir que a companhia de seguros não inflacionará o prémio se o carro e o instalador estiverem registados.
    • Alemanha
      Qualidade no gás (EN 589) e nas montagens (R115) aliada à quantidade (6.000 postos de abastecimento) fazem deste país aquele que para mim vai ser o mercado mais promissor de toda a Europa, o qual, conta chegar este ano aos 500.000 veículos a GPL (em 2009 eram 370.000).

      Têm como maiores preocupações o desenvolvimento dos motores a gasolina e a forma como o GPL poderá acompanhar essa evolução, caso dos motores de injecção directa e a forma de arrefecimento dos injectores, o Euroconector e os Regulamentos 83 e 49 da UNECE que vão ter de referir, dentro de em breve, os sistemas Dual-Fuel.
Registado

LPG the fastest ecology
Fernando Manuel Augusto Francisco
Vice-Pres. Direcção
Moderador
Residente (muito participativo)
***

Apreciação global das respostas pelos membros: 3
Offline Offline

Mensagens: 647



Ver Perfil
« Responder #3 em: 03-Out-2010, 18:06:03 »

5ª-feira-30Set'10

Deixo aqui um link que mostra as presenças mais importantes neste congresso.

http://www.icamotorediciones.es/index.php?q=taxonomy/term/107 
 
 
 
Registado

LPG the fastest ecology
Jorge Manuel Pina Moreira Chorão
Assoc. ind. Consumidor (Categ. J)
Residente (muito participativo)
**

Apreciação global das respostas pelos membros: 1
Offline Offline

Mensagens: 269


chorao no fórum autogás.pt


Ver Perfil
« Responder #4 em: 04-Out-2010, 10:35:27 »

Citar
◦Existem forças, vindas dos fabricantes de automóveis (grupo VW), para retirar o propano do autogás fazendo assim com que seja um produto uniforme e que, não precise de reajustes quando se muda de país/posto e poder estender a autonomia até cerca de 12% mais. A AEGPL está claramente contra.

não sei se aqui será o melhor sitio para colocar isto mas...

 Shocked estranho isto... tinha ideia que lá para o norte, por causa do frio, a % de propano no GPL tinha de ser maior.... e o meu amigo que é distribuidor de gás aqui na região diz-me que até as garrafas de butano levam um pouco de propano...
Registado
Rui Manuel Nascimento Alves
Assoc. ind. Consumidor (Categ. J)
Residente (muito participativo)
**

Apreciação global das respostas pelos membros: 0
Offline Offline

Mensagens: 60



Ver Perfil
« Responder #5 em: 04-Out-2010, 22:26:28 »

Essa frase também me chamou a atenção... qual será o motivo da AEGPL estar contra a diminuição de propano no gpl?
Registado
João Manuel da Cruz Tavares
Pres. Mesa Ass. Geral
Moderador
Residente (muito participativo)
***

Apreciação global das respostas pelos membros: 2
Offline Offline

Mensagens: 438



Ver Perfil
« Responder #6 em: 04-Out-2010, 23:46:16 »

Vamos lá ver se consigo explicar.

O ponto de ebulição do butano é de cerca de 0ºC, isto quer dizer que a essa temperatura a pressão de vapor do butano puro é inferior a 1 atmosfera, o que tornaria inviável a utilização de uma botija de butano puro a essa temperatura.

No entanto o butano comercial não é butano puro, assim como o propano comercial também não o é. Há sempre uma pequena percentagem de propano no butano e vice-versa.

De qualquer forma as garrafas de butano são vendidas para ser utilizadas dentro de casa, onde o problema da temperatura não se coloca. No exterior é sempre utilizado propano exclusivamente por esta razão. É por isso que não vendem botijas grandes de butano.

No caso do GPL-Auto a situação é diferente porque enquanto que nas garrafas são elas próprias que fazem de vaporizador, absorvendo calor do meio circundante (o que funciona se a taxa de vaporização necessária for pequena), nos carros o calor é absorvido do sistema de arrefecimento do carro, que está muito acima de 0ºC.

Há no entanto 2 razões que me levam a duvidar que o que a VW pretende seja mesmo eliminar completamente o propano.

1)O butano, em particular o n-butano(há também o isobutano) tem um índice de octanas muito baixo, 92, o que combinado com alguma percentagem de insaturados sempre presente, poderia perigar o limite mínimo de 95 octanas (salvo erro a legislação actual até exige um mínimo de 98 octanas para o GPL-Auto).

2)A temperaturas negativas, e uma vez que não existe bomba no depósito de GPL, é a pressão de vapor que faz o GPL líquido chegar até ao vaporizador. Mesmo admitindo que algum calor é transmitido através do tubo de cobre desde o vaporizador até ao depósito este pode não ser suficiente para manter uma pressão adequada.

Assim acredito que o que os construtores automóveis queiram é maximizar a percentagem de butano(por exemplo à volta dos 70% utilizados em Itália, que é um país com um clima bastante frio no Inverno, no Norte, e bastante quente no Verão, no Sul) tornando-a um standard.

A AEGPL opõe-se pela mesma razão que a Galp e a BP têm para continuar a vender propano puro. A logística. É muito mais fácil(e barato) utilizar o mesmo camião que abastece todos os clientes de propano(de recordar que o GPL-Auto representa 5% das vendas de propano), do que enviar um com a mistura feita só para os postos de abastecimento.

Mesmo que no nosso clima isso provoque sérios problemas de abastecimento, pois as pressões de vapor do propano puro a 35 ou 40 ºC são enormes.

Quanto aos outros assuntos

Citar
Desmistificar a ideia que o GPL só vem do Petróleo


Ora nem mais, aqui é que temos mesmo que bater.

Citar
Bio-GPL (éter dimetílico)

Quando andei obcecado com o Dual-Fuel Diesel-GPL uma das soluções que encontrei para facilitar a coisa era precisamente a adição de éter dimetílico, pois este tem um teor de cetano muito elevado, próximo de 60, quando o do gasóleo é de cerca de 50. Sabendo que uma mistura de 70% de GPL e 30% de éter dimetílico pode ser utilizada sem problemas nos motores ciclo Otto, teríamos um combustível quer para motores Otto, quer Diesel.

Citar
Perspectivas no mercado Industrial.

Aqui o facto da industria estar a abandonar o propano em favor do gás natural soa como música para os meus ouvidos.

Primeiro porque o gás natural emite menos CO2, depois porque isso obriga as petrolíferas a desviarem o propano para o mercado automóvel.



 

* Pressões de vapor de misturas propano x butano.pdf (23.8 Kb - transferido 676 vezes.)
« Última modificação: 05-Out-2010, 00:09:25 por João Manuel da Cruz Tavares » Registado
Jorge Manuel Pina Moreira Chorão
Assoc. ind. Consumidor (Categ. J)
Residente (muito participativo)
**

Apreciação global das respostas pelos membros: 1
Offline Offline

Mensagens: 269


chorao no fórum autogás.pt


Ver Perfil
« Responder #7 em: 05-Out-2010, 12:22:20 »

muito agradecido João.  Smiley
(É pá: a falta que eu já sentida duma palestra deste meu amigo)
Registado
Rui Manuel Nascimento Alves
Assoc. ind. Consumidor (Categ. J)
Residente (muito participativo)
**

Apreciação global das respostas pelos membros: 0
Offline Offline

Mensagens: 60



Ver Perfil
« Responder #8 em: 05-Out-2010, 18:21:57 »

Compreendido!
Registado
Athos Ferreira Duarte
Sec. Mesa Ass. Geral
Moderador
Residente (muito participativo)
***

Apreciação global das respostas pelos membros: 4
Offline Offline

Mensagens: 417


Timfusion do fórum autogas


Ver Perfil
« Responder #9 em: 06-Out-2010, 13:40:16 »


 Muito legal essa tua explicação João  Aplausos

 Aprendi mais alguma coisa Adoração
Registado

O medo é o íman do azar!
Páginas: [1]
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.5 | SMF © 2006-2008, Simple Machines LLC XHTML 1.0 válido! CSS válido!